202Viajar para trabalhar voluntariamente, fora de seu país de origem, é sair da zona de conforto e enfrentar os desafios de aprender a se comunicar em outro idioma, adquirir e trocar experiências pessoais e profissionais, que enriquecerão a si e seu currículo, conhecer culturas e lugares diversos, fazer novas amizades (e/ou network) e alimentar o seu lado mais altruísta. É uma ação nobre e você precisa estar focado em ajudar e absorver todo aprendizado necessário.

Por quê?

Porque este tipo de trabalho estimula o seu engajamento e empatia pelo próximo. O propósito é atuar sem fins lucrativos e dedicar-se em prol de uma causa comunitária, que ficará ao seu critério a escolha da ação. Vale lembrar que voluntariado, no exterior, não é sinônimo de viajar gratuitamente e, somente, a passeio. No entanto, há algumas instituições que se propõem a pagar transporte e estadia do voluntário. Em poucos casos, há as que remuneram simbolicamente.

Outras podem pedir doações ou taxas para cobrir os custos. Mas, ainda sim, é importante estar bem planejado para arcar com suas próprias despesas e, também, com questões relacionadas a passagens e visto.  Ou terceirizar tais burocracias para uma agência de intercâmbio/trabalho voluntário, que ficará responsável por reunir as taxas, voos e hospedagens para você efetuar o pagamento.

voluntariado-dicas-press-abroad2

Em que áreas eu posso atuar?

Caso sua opção seja viajar pela agência, há programas com categorias específicas de atuação, oferecidos pela mesma. Entre estas categorias estão: Saúde, Serviços Sociais, Meio Ambiente, Educação, entre outros. Porém, estes programas são casados com cursos de intercâmbio, logo, as escolas de idiomas atuam em parceria com as instituições. Dessa forma, é exigido ou que as aulas se iniciem antes do trabalho, ou que as atividades sejam realizadas paralelamente.

Você pode escolher viajar por “conta própria”, para isso, pesquise a fundo sobre as instituições e ONGS disponíveis a aceitar trabalhos voluntários. Veja o histórico de feitos e projetos, se é confiável, e se, de fato, realizam ações em benefício à comunidade escolhida. Após esta busca, aí sim, passaremos para a etapa de: como posso trabalhar.

Dê preferência para uma área que você domine ou tenha uma afinidade. Dessa forma, o resultado de sua atividade será bem mais satisfatório para si e para os receptores de sua ação. Ensinar inglês, ou outros idiomas, em países mais carentes, como o Sudão; trabalhar em fazendas; jardinagens; asilos; ecoturismo; projetos de saúde são só algumas das diversas maneiras de atuação no exterior.

Confira os destinos mais procurados

A África do Sul é um dos países mais procurados para trabalhos voluntários. O motivo da escolha, provavelmente, se deve por este ser um dos destinos mais conhecidos pelos candidatos. Mas, há, também, alternativas, como Argentina, Chile, China, Equador, Guatemala, Gana, Índia, Irlanda, México, Nepal, Peru, Tailândia, Turquia e outros.

Algumas dicas de sites com programas: ONUWorkaway, WWOOF, Volunteer.

O que é preciso para se tornar um voluntário?

Para se candidatar ao voluntariado é necessário ter comprometimento, boa vontade, disponibilidade para ficar, pelo menos, um mês se dedicando integralmente ao projeto, no destino escolhido. Ter inglês intermediário, ou saber falar o idioma do país.

Imagem: Reprodução

Leia também:


Joyce Lima
Jornalista e assessora de comunicação, a área cultural é a sua paixão e, por isso, sempre busca conhecer costumes e culturas de diferentes lugares. A história de cada país e região a encanta e ela procura dividir isso de maneira mais fidedigna com os leitores. Carioca da gema e sem amarras segue livre buscando conhecimentos por onde passa.