Quem já fez as duas coisas sabe que há algumas diferenças entre turistar e mochilar. E, às vezes, quem nasceu para ser turista, não nasceu para mochilar e vice-versa. Veja cinco diferenças básicas e conte pra gente: qual é o seu perfil? Você é mochileiro ou turista?

1. Programação da viagem

Turista: Muitas vezes, prefere deixar tudo por conta da operadora. Quando planeja sem ajuda de profissionais, tem de negociar muito com os companheiros de viagem sobre os programas que vão fazer. E prefere deixar o roteiro todo arrumadinho para todo mundo segui-lo à risca (a fim de otimizar todas as preciosas horas no destino).

Mochileiro: Costuma planejar sozinho. Até porque o mochileiro viaja muito sozinho. No máximo, em dupla. E o planejamento normalmente consiste em ler bastante sobre a história, a origem e a cultura do lugar a ser visitado, em saber quais picos serão imperdíveis e em reservar o hostel. Básico. O mochileiro prefere viajar com feeling: se uma cidade não está legal, ele parte pra outra mais cedo. Se deu na telha de passar o dia de bar em bar em vez de museu em museu, então será assim.

2. Tipo de hospedagem

Turista: Vai ficar em hotel. E não conhece muito bem as diferenças entre hotel e hostel. Mas sabe direitinho qual é a diferença entre hotel, hotel-fazenda e resort. No hotel, o turista quer ser muito bem servido, quer dormir no conforto e quer um café da manhã daqueles beeem fartos (que façam jus ao preço, porque a diária foi muito cara).

Mochileiro: Hostel é a prioridade. Tendo uma cama, armário e chuveiros com água quente, tá ótimo! O mochileiro sabe que ele não vai passar muito tempo dentro do hostel, porque o mais interessante da viagem está lá fora. E sabe que vai voltar do rolê tão detonado que conseguirá dormir em qualquer canto. E mochileiro também prefere gastar mais com comida ou passeios do que necessariamente com hospedagem.

10325697_569138539865252_1700327996249963971_n3. Bagagem

• Turista: Leva mala de rodinhas porque sabe que não vai precisar carregá-la para tudo quanto é lado enquanto procura um hotel de última hora. Afinal, tudo está totalmente programado, cronometrado e acertado para que não ocorram imprevistos. Dentro da mala de rodinhas, outra mala, vazia, para levar as lembrancinhas que comprar durante a viagem.

Mochileiro: Leva mochila porque é mais prático para perambular pelos seus milhares de destinos. E porque vai carregar tudo nas costas, pega leve ao escolher os objetos. Leve mesmo.

4. Vestuário

• Turista: Uma roupa por dia é essencial. Sapatos de dia, sapatos de noite, chinelos, tênis. Roupa para sair à noite, combinando com o sapato da noite. E mais um milhão de coisas que, a gente sabe, às vezes nem vai dar tempo de usar.

Mochileiro: Uma calça (ou duas, se os ombros permitirem), várias camisetas, chinelos, tênis e pronto. Ih, não dá pra entrar no restaurante de chinelo? Sem grilo, sem estresse: bora procurar outro restaurante!

5. Objetivo da viagem

Turista: Visitar o maior número de museus possível, a maior quantidade de igrejas, os monumentos, as praças e aqueles cafés famosos que fazem a fama de determinados lugares.

Mochileiro: Museus, igrejas, monumentos, cafés e bares também fazem parte do roteiro de um mochileiro. Mas o objetivo é experimentar. Conhecer não só aquele museu que não pode passar batido, mas sair dele e andar pela vizinhança para entender a vida local. Experimentar, entrando num supermercado para conhecer os produtos do dia a dia (e sair de lá com ingredientes para fazer macarronada para jantar no hostel), sentar no banco do parque ou da praça sem precisar cumprir horários do tour. Descobrir um restaurante só frequentado por pessoas da região (e entender a “magia” de estar rodeado pela cultura do lugar).

Estereótipos à parte, uma coisa é certa: ninguém consegue ser totalmente turista e ninguém consegue ser totalmente mochileiro. Mochileiro é sempre turista, e turista sempre pode ser mochileiro. E numa coisa os dois sempre concordam: viajar é uma das coisas mais maravilhosas da vida! E viva a diversidade ♥

Via Viagem Abril – Texto de Ludmila Balduino.