Um pedacinho do Brasil transforma a cultura francesa de 10 a 12 de Outubro na 2ª Edição do Festival do Rio Grande do Sul de Paris. O evento, realizado pela a Associação Sol do Sul, tem como principal foco, apresentar a cultura do Rio Grande do Sul, tais como dança, gastronomia, música entre outras. Jaqueline Dreyer, presidente da Associação Sol do Sul, organizadora do Festival, vive em Paris há 15 anos. Para ela, a realização do Festival mostra uma parte do Brasil pouco conhecida na França e até mesmo na Europa. “O Sul do Brasil, também é conhecido, como a Europa dentro do Brasil, pelas suas, quatros estações bem definidas, assim como a região que mais recebeu as imigrações europeias, entre elas;  Alemanha, Portugal, Itália, Polônia, Holanda… ”, define ela.

Jaqueline acrescentou ainda que, além de trazer um pouco da cultura de sua terra natal para a cidade luz, o evento é uma oportunidade para apresentar um Brasil diferente do circuito quotidiano, apresentando um pouco da história, destacando a importância dos imigrantes europeus que deixaram sua marcas, suas contribuições para o desenvolvimento e crescimento da região. “Através deste Festival, promovemos novas oportunidades de descoberta do Brasil, que é em torno de 17 vezes maior que a própria França. O festival apresenta uma  visão da região Sul, igualmente nos aspectos: culturais, sociais, turístico, político, econômicos”, completa.

Um pouco de história

“Alguns pensam que no Sul do Brasil somos Argentinos  e que falamos Espanhol. Muito temos a compartilhar com o mundo sobre essa região brasileira, cheia de riquezas”, diz Jaqueline. A região Sul do Brasil, por exemplo, esteve durante 10 anos, entre 1835 e 1845, em guerra – a  Revolução farroupilha, também  chamada Guerra dos Farrapos.

O evento conta com a presença de autoridades políticas do Brasil bem como artistas e palestrantes brasileiros e franceses.

Fonte: Cultura Brazil Europa