Falar outros idiomas sempre é interessante para deixar o currículo mais atrativo. Saber mais do que um ou dois chega a ser quase uma garantia de sucesso num mercado de trabalho globalizado. No entanto, existem alguns idiomas que eventualmente deixam de ser necessários. Quer saber quais idiomas estarão em alta no futuro? Aqui está uma pequena lista deles:

Inglês: a língua chinesa e espanhola têm mais falantes nativos do inglês, mas o inglês é falado em cinco continentes. Hoje é a língua universal e a língua oficial do país mais poderoso do mundo (Estados Unidos) e outros países influentes, como o Reino Unido, Canadá, Índia e Nova Zelândia. Além disso, é a linguagem das relações comerciais internacionais e na Internet.

Espanhol: o espanhol é falado por mais de 500 milhões de pessoas em 20 países e a segunda língua mais estudada após o inglês.

Chinês (Mandarim): com cerca de 850 milhões de falantes, o chinês é o idioma utilizado pelos nativos. Se incluirmos também os países vizinhos como a Indonésia, Camboja e Malásia, o número sobe para 1000 milhões de falantes e o número continua a aumentar. Isso faz com que esta linguagem é cada vez mais visto como uma alternativa para o inglês e na língua do futuro, mesmo com a possibilidade de expulsar o inglês em um futuro mais ou menos distante.

Francês: junto com o inglês, são as únicas duas línguas faladas em 5 continentes. No entanto, o francês não ultrapassar 200 milhões de falantes, ocupando o nono lugar das línguas mais faladas no mundo.

Árabe: esta é a língua franca do Oriente Médio, incluindo a Arábia Saudita e o Egito. É falada por cerca de 300 milhões de falantes nativos.

Russo: é a língua oficial dos países da ex-União Soviética, entre os quais a Rússia, Belarus e Cazaquistão. Ele é falado como primeira ou segunda língua por mais de 250 milhões de pessoas.

Alemão: é falada por cerca de 150 milhões de pessoas, sendo a língua mais falada por falantes nativos na União Europeia.

Fonte: Redação com informações Regenbig

Encontrou um erro? Quer sugerir uma pauta? Ajude-nos a melhorar nosso conteúdo. Envie um e-mail para: [email protected]