Pesquisas revelam a cidade original de Angkor, em Camboja

Camboja-press-abroad

Nas profundezas da selva cambojana repousam os restos de uma grande cidade medieval, que estava escondida por séculos. Novas técnicas devem revelar segredos arqueológicos – incluindo uma elaborada rede de templos e avenidas e engenharia sofisticada.

Em abril 1858, um jovem explorador francês, Henri Mouhot, partiu de Londres para o Sudeste Asiático. Por três anos ele viajou, descobriu insetos exóticos e hoje, ele estaria completamente esquecido não fosse por sua revista, publicada em 1863, dois anos depois de sua morte de febre em Laos, com apenas 35 anos.

O relato de Mouhot fisgou a imaginação do público, mas não por causa do besouros e aranhas que ele descobriu. Os leitores foram tomados por suas descrições vívidas dos grandes templos da selva. Mouhot apresentou ao mundo a cidade medieval perdida de Angkor, no Camboja, e seu romântico, imponente esplendor.

BBC_atthewallCamboja é atualmente famosa por edifícios originais. O Angkor Wat, o maior e mais bem preservado complexo hindu do mundo construído por volta de 1150, continua sendo o maior complexo religioso na Terra, cobrindo uma área quatro vezes maior do que a Cidade do Vaticano. Ela atrai dois milhões de turistas por ano. Mas, de volta na década de 1860, Angkor Wat era praticamente desconhecida dos moradores locais e monges. A noção de que este grande templo estava cercado por uma cidade de um milhão de pessoas era totalmente desconhecida.

Levou mais de um século de trabalho de campo arqueológico esgotante para preencher o mapa. A cidade perdida de Angkor começou lentamente a reaparecer, rua por rua. Mas, mesmo assim permaneceu espaços significativos.

Então, no ano passado, os arqueólogos anunciaram uma série de novas descobertas  sobre Angkor e uma cidade ainda mais antiga escondida nas profundezas da selva.

As revelações

Uma equipe internacional, liderada pela Universidade de Sydney, mapeou 370 km² em detalhes sem precedentes em torno de Angkor – uma façanha dada a densidade da selva e da prevalência de minas de guerra civil no Camboja. No entanto, todo o levantamento levou menos de duas semanas.

O segredo para fazer isso em tão pouco tempo foi uma tecnologia de sensoriamento remoto sofisticada,  tecnologia aérea de laser, que está revolucionando a arqueologia, especialmente nos trópicos. Foram lançados feixes de laser registrando pequenas variações na topografia da superfície do solo.  Os resultados foram surpreendentes. Foi revelada a cidade original de Angkor. Os arqueólogos encontraram paisagens urbanas gravadas no chão da floresta, com os templos, rodovias e hidrovias elaboradas espalhando-se por toda a paisagem. Estas novas descobertas transformam profundamente a compreensão de Angkor, a maior cidade medieval na Terra.

BBC-gettyNo seu auge, no século 12, Angkor era uma metrópole num raio de 1.000 km² (seriam mais 700 anos para Londres atingir esse tamanho).

Angkor foi a antiga capital do poderoso  império Khmer, governado por reis guerreiros, que dominou a região durante séculos – abrangendo da atual Camboja e muito do Vietnam, Laos, Tailândia e Mianmar. Mas suas origens e berço há muito tempo é um mistério.

Algumas inscrições sugerem que o império foi fundado no século 9 por um grande rei, Jayavarman II, e que sua capital original, Mahendraparvata, estava em algum lugar nas colinas Kulen. Mas ninguém sabia ao certo – até a equipe da Universidade fazer essas descobertas.

O levantamento das colinas revelou contornos fantasmagóricos no chão da floresta de templos desconhecidos – uma cidade perdida, encontrada. O mais impressionante de tudo foi a evidência de engenharia hidráulica de grande escala, a assinatura que define o império Khmer.

Fonte:  BBC com tradução adaptada

Imagens: Reprodução

Leia também:

Conheça Varsóvia, na Polônia


COMPARTILHAR
Redação
Este texto foi escrito, editado, ou apenas publicado por um de nossos colaboradores espalhados em várias partes do mundo. www.pressabroad.com