Iniciativa do Ministério da Cultura vai seguir a mesma linha do Ciência Sem Fronteiras; a diferença é que alunos de cursos, antes preteridos, como Administração e Design, serão o foco.

Antes barrados pelo programa Ciência Sem Fronteiras (CsF) – que dá bolsas de estudos para universitários brasileiros de Exatas e de Saúde estudarem no exterior -, agora os alunos de Humanas terão acesso a um programa similar também do Governo Federal: o Cultura sem Fronteiras. A nova ação, sob coordenação do Ministério da Cultura (MinC) está prestes a ser lançada pela pasta.

A iniciativa vai seguir a mesma linha do “programa-irmão”. A principal diferença é que o novo programa do MinC vai focar em cursos ligados às humanidades e às ciências sociais aplicadas, como Administração, Design e Moda.

7j6ly8izk4t72mesma74nmpq1“Até agora, só os estudantes de Exatas tinham essa oportunidade para obter bolsas no exterior, por meio do Ciência sem Fronteiras. Para ampliar as possibilidades, estamos fazendo o Cultura sem Fronteiras”, afirmou, em comunicado, a ministra da Cultura, Marta Suplicy.

De concreto até o momento o MinC já fechou parcerias com universidades de dois países: a Itália e a Espanha. Duas instituições já fazem parte do Cultura sem Fronteiras e estarão aptas a receber universitários brasileiros para intercâmbios de graduação de um ano.

logo-iedA Universidade de Bolonha, na Itália, é uma delas. O Instituto Europeu de Design (IED), que tem duas de suas unidades na Espanha (em Madri e Barcelona), é a outra instituição que já firmou convênio com o MinC.

Como a pasta ainda está desenhando o escopo geral do programa e planejando parcerias com outras instituições de ensino, por enquanto apenas um edital já foi anunciado pelo ministério. Está previsto para este ano a seleção dos 10 primeiros bolsistas que farão intercâmbio no IED. A seleção, contundo, ainda não foi aberta. Sabe-se apenas que poderão participar do edital estudantes de Administração, Design, Moda e Programação Visual.

Indústria Criativa

A ideia por trás do Cultura sem Fronteiras é oferecer oportunidades para estudantes ligados à Indústria Criativa, que por ser uma área interdisciplinar, relaciona-se com uma série de campos de conhecimento, com um envolvimento especial de cursos de Comunicação e Artes. Segundo o iG Educação apurou, a previsão é que o Audiovisual, a Animação e as Artes Visuais também possam ser contemplados como cursos prioritários do programa.

Tal expectativa de inclusão desses cursos de Comunicação, Artes e Cinema, contudo, ainda não foi anunciada publicamente pelo ministério. Esse é um dos motivos que faz com que o estudante de comunicação social da PUC Minas, Igor Patrick, de 21 anos, ainda não comemore por completo a criação do programa do MinC.

“Acho o Cultura sem Fronteiras, um programa puramente eleitoreiro. Chegou oportunamente tarde, não abarca nem de longe todo mundo que foi prejudicado em 2012 pelo Ciência sem Fronteiras [quando os alunos inicialmente foram barrados] e oferece, inicialmente míseras 10 vagas”, explica Patrick.

Por: Davi Lira/iG Educação

*Imagens Divulgação

Leia a matéria original aqui.