Quem estiver fora do Brasil nos dias 05 ou 26 de outubro, quando acontecem o primeiro e segundo turnos das eleições no país, precisa ficar atento. Não haverá mesas receptoras de voto em trânsito no exterior. Mas quem já mora no exterior, têm mais de 18 anos e título de eleitor registrado em outro país, precisa votar para presidente da República e deve buscar mais detalhes sobre o procedimento junto à embaixada brasileira. Aqueles que, embora residindo no exterior, mantêm seu domicílio eleitoral em município brasileiro, precisam justificar a ausência nas urnas nesse período. A justificativa pode ser feita quando a pessoa retornar ao país, desde que comprove que esteve fora naquelas datas.

O prazo para habilitar o voto no exterior ou regularizar a situação eleitoral acabou ainda em maio, mas vale lembrar que quem mora no exterior não é obrigado a transferir seu título de eleitor. A transferência em caso de moradia no exterior é facultativa. E mesmo quem transfere só poderá votar no exterior para o cargo de presidente da República. A justificativa é que não pode faltar. A embaixada do Brasil em Londres preparou um documento com as dúvidas mais frequentes. As respostas estão disponíveis aqui.

Em 2010, no 2º turno, 85.591 eleitores votaram para presidente em seções fora do Brasil.

Procedimento

Os eleitores que não transferiram seu título deverão justificar sua ausência nas próximas eleições. Quem está registrado para votar no exterior, mas estará no Brasil durante as eleições pode votar para Presidente e Vice-Presidente em seções instaladas nas capitais e nos municípios com mais de 200 mil eleitores. Os interessados deverão habilitar-se em qualquer cartório eleitoral NO BRASIL até o dia 21 de agosto, informando o local em que pretendem votar.

A habilitação para o voto em trânsito será realizada mediante a apresentação de documento oficial com foto e será admitida apenas para os eleitores que estiverem com situação regular no cadastro eleitoral. Uma vez cadastrado nessa modalidade, o eleitor ficará automaticamente apto a votar no local onde informou e será desabilitado para votar na sua seção de origem.

Com informações: O Globo