Economista explica como fazer um bom planejamento para viajar e realizar o sonho do intercâmbio.

Você é aquela pessoa que quando o assunto é viagem, sente uma enorme vontade de sair por aí, conhecendo lugares ou o seu destino dos sonhos, com o desejo de experimentar novas sensações, conhecimentos, culturas, mas, se desanima quando pensa na grana que irá gastar? A matéria foi feita especialmente para você (e, também, para aqueles que não sabem por onde começar quando a questão é economizar para um intercâmbio).

Saiba que é perfeitamente possível escolher o destino e levantar o dinheiro necessário para a sua viagem. O truque, na verdade, está em se planejar com formas mais rentáveis. A palavra que melhor se encaixa é a estratégia e como nós sempre incentivamos o sonho do intercâmbio, listamos cinco dicas do economista Mladen Dragosavac para você alcançar o seu objetivo, sem desperdiçar sua grana.

1. Guardar o dinheiro durante a pré-viagem

Se a data da viagem anteceder a seis meses, a melhor forma de juntar o dinheiro será por meio de uma conta poupança, apesar de ter uma rentabilidade baixa, ela conta com a vantagem isenção do imposto de renda (IR). Há outras aplicações mais rentáveis, como o fundo DI, no entanto, sofrem a incidência do IRD 22,5% e retirando o valor reunido em seis meses será pequena a diferença de ganho entre fundo DI e a poupança.

Já se a sua viagem antecede mais de seis meses, aí a aplicação mais interessante será o fundo DI, com a taxa de administração baixa, no máximo 0,5% a.a. Com a taxa Selic em 11% a.a, essa forma de aplicação rende quase o dobro da poupança, com o mesmo risco. Acima de seis meses, o fundo DI tem imposto de 20%.

*Adquirindo a quantia total da viagem, em ambos os casos, o processo de investimento continua: um fundo de câmbio poderá ser arrecadado para uma proteção caso haja a alta do dólar.

Leia também: Intercâmbio em Dublin e a experiência de viajar pela primeira vez sozinha

2. Quanto devo economizar?

Primeiro você precisa estabelecer o quanto pretende gastar durante os meses de viagem. Vamos supor que o tempo de estadia seja de dois meses e foi estipulado consumir até R$ 15 mil. Se o planejamento for feito durante os seis meses que antecedem a viagem, o ideal é juntar R$ 2.500 por mês. Se o prazo para viajar for de um ano, será necessário juntar R$ 1.250 a cada mês.

Foto: Shutterstock

3. Reduzir os gastos do dia a dia

Para reunir as quantias descritas acima será importante fazer cortes orçamentários. Os itens que mais pesam no bolso precisarão ter o gasto reduzido ou retirado, como os almoços e jantares fora de casa, barzinhos, entre outras ações consideradas mais supérfluas. Rever os contratos de TV a cabo, celular, entre outros prazeres que nos damos o direito, mas, conseguiríamos viver bem sem eles por um tempo.

4. Opte por programações sem gastos

Você pode cortar os bares e restaurantes, mas, em contrapartida, pode fazer programações 0800, como piqueniques em parques, confraternizações em ambientes abertos ao público e gratuitos. E pra que consumir? Se você pode levar sua bebida e comida.

5. Deixe o carro em casa

Se você tem carro, opte por fazer trajetos curtos e até a ida ao trabalho a pé ou de bicicleta, ótima maneira de manter a forma e a saúde em dia, além de economizar no combustível e no estacionamento.

Leia também:

Quer receber dicas de  intercâmbio e viagem?

Conheça Varsóvia, na Polônia


COMPARTILHAR
Cristina Lima
É formada em Jornalismo pela UNISO (Universidade de Sorocaba), e pós-graduada em Gestão da Comunicação Integrada pela Metrocamp em Campinas/SP. Passou também por muitas escolas de comunicação pelo Brasil e no exterior. Cristina vive entre entre a Irlanda e São Paulo, adora viajar, conhecer novos lugares, novas culturas e novos amigos.